Em formação

Onde os 31 nervos espinhais começam / se encontram?


Qual parte do cérebro é o primeiro lugar (de cima para baixo) onde todos os 31 pares de nervos espinhais (de cada lado) se encontram? Ou se todos eles começam em um lugar - onde é isso?

Nominalmente, o início da medula espinhal é a medula oblonga, mas talvez os nervos espinhais ou algum tipo de "raiz" de cada nervo comece no Tálamo?


Eles não se encontram.

Alguma estrutura:

  • Os nervos espinhais contêm fibras motoras, sensoriais e autonômicas. Cada um deles tem caminhos diferentes.
  • Os nervos espinhais não vão para o cérebro. Em vez disso, eles fazem sinapses na medula espinhal com outros neurônios que, por sua vez, vão para o cérebro (às vezes exigindo mais uma sinapse).
  • No caso dos neurônios motores, falamos sobre superior e diminuir neurônios motores. No sistema sensorial, falamos sobre primeira ordem e segunda ordem neurônios. Explicação abaixo.

Em relação aos neurônios sensoriais (aferentes):

  • O toque e a percepção da posição dos membros são mediados pelo sistema do lemnisco medial-coluna dorsal. o primeira ordem neurônios (sensoriais primários) dos nervos espinhais, sinapses em um segunda ordem neurônio na coluna dorsal da medula. Lá, ele decussa (ou seja, segue para o lado contralateral) e sobe através do lemnisco medial até o tálamo. Lá ele faz sinapses com um terceiro neurônio que viaja através da cápsula interna para o córtex sensorial somático primário.
  • Dor, coceira e sensação de temperatura são mediados pelo sistema anterolateral. Esses primeira ordem neurônios (sensoriais primários) fazem sinapses no nível espinhal em que entram. o neurônio de segunda ordem decussa nesse nível e segue rostralmente através da coluna anterolateral, terminando no tálamo. Lá ele faz sinapses com um terceiro neurônio que viaja através da cápsula interna para o córtex sensorial somático primário.

Conclusão: São necessários três neurônios (inclusive) para ir do nervo espinhal ao córtex sensorial primário no giro pós-central do lobo parietal.

Em relação aos neurônios motores (eferentes):

  • Os músculos dos membros são inervados por circuitos que começam no córtex motor primário. Esses neurônios motores superiores descer até a medula, decussar aqui e continuar caudalmente através do trato corticoespinhal lateral. No nível do nervo espinhal, eles fazem sinapses com neurônios no corno ventral lateral. Estes são os neurônios motores inferiores que se tornam o nervo espinhal.
  • Os músculos axiais / da cintura são inervados por circuitos que também começam no córtex motor primário. Esses neurônios motores superiores sinapse no mesencéfalo, desça e decussate no nível espinhal apropriado. Eles fazem sinapses com o neurônios motores inferiores que saem da medula espinhal e vão para os músculos.

Conclusão: São necessários dois neurônios (inclusive) para ir do córtex motor primário no giro pré-central do lobo frontal até um nervo espinhal.

No córtex, esses circuitos também não se unem. Na verdade, eles são organizados de forma bastante difusa nos córtices sensorial e motor. Aqui está uma representação do córtex sensorial. * É um esquema do giro pós-central com imagens para indicar onde os sinais de várias partes do corpo vão. O córtex motor é semelhante. (Google homúnculo se estiver interessado.)

Além das vias descritas para percepção e controle cognitivo, existem outras que ajudam no controle subconsciente do movimento (por exemplo, aquelas envolvendo o cerebelo e gânglios da base), percepção sub-cortical de sinais de dor (por exemplo, amígdala) e até mesmo reflexo espinhal arcos que nunca alcançam o cérebro. Nem todos os circuitos que começam ou terminam nos nervos espinhais são destinados ou se originam no córtex

Isso já está consideravelmente simplificado, e o sistema autônomo é mais complexo ainda e não está confinado aos nervos espinhais, então não vou detalhar. Esses sinais se originam e retroalimentam uma área totalmente diferente do cérebro (principalmente hipotálamo). Semelhante aos sistemas motor e sensorial, pelo menos uma sinapse é necessária para conectar o cérebro ao nervo periférico.

Conclusão: eles não se encontram.


Referência: Martin, John. Neuroanatomia: Texto e Atlas. McGraw-Hill Medical; 3ª edição (27 de março de 2003)
* A fonte desta imagem é: http://www.mindtrippingshow.com/mind-trip-of-the-week-17-how-do-we-feel-the-world


Não tenho certeza se entendi a essência de sua pergunta de forma adequada, mas deixe-me fornecer alguns esclarecimentos.

$ text {Nerve} $ é simplesmente uma coleção de axônios. Portanto, todos os nervos espinhais são apenas feixes de axônios nervosos variados.

Bem, a origem do nervo é ligeiramente ambígua, no que se refere ao seu significado. Pode significar o origem física, o local onde um determinado ramo de nervo começa a partir de um tronco principal ou algum outro órgão nervoso. Também pode significar a localização dos corpos celulares cujos axônios constituem o nervo, o origem funcional.

Agora voltando à questão, o fisica origem dos nervos espinhais não é comum. Cada par de nervos espinhais se origina de um segmento específico da medula espinhal por meio de duas raízes, a dorsal e a ventral. Portanto, cada nervo se origina separadamente e diferentes nervos espinhais não podem ser rastreados até uma origem física comum. (A cauda equina é na verdade uma coleção de vários nervos espinhais que se movem dorsalmente e periodicamente se desprendem da coluna vertebral. Embora os nervos que compõem o Cauda Equina, segundo nervo lombar em diante, pareçam ter uma origem comum, eles na verdade originar de seu próprio segmento específico e, em seguida, mover-se caudalmente como um feixe para superar a restrição de desenvolvimento da medula espinhal ser mais curta do que a coluna vertebral, sendo necessário o movimento caudal dos nervos dentro da coluna para emergir em pontos apropriados)

o funcional a origem é um pouco mais complicada. Isso ocorre porque cada nervo espinhal possui uma variedade de fibras nervosas. Existem algumas fibras sensoriais com corpos celulares no gânglio da raiz dorsal, existem fibras motoras com seus corpos celulares na medula espinhal, existem fibras simpáticas com corpos celulares na série de colaterais ou os gânglios simpáticos, conectados ao nervo espinhal via cinza e ramus comunicans branco. Também pode haver corpos celulares localizados diretamente na medula, que passam as fibras nervosas nos nervos cranianos, bem como através de seus ramos, nos gânglios simpáticos e, finalmente, nos nervos espinhais. Os nervos sacrais também contêm fibras nervosas parassimpáticas com origem funcional no SNC. Assim, considerando a origem funcional, embora cada nervo espinhal tenha várias origens, há uma ligeira convergência de origens para diferentes nervos. Os gânglios simpáticos e a medula espinhal são dois lugares onde as origens de diferentes nervos espinhais podem coincidir ou estar estrutural e funcionalmente integrados. Mas deve-se ter em mente que esta é uma convergência muito limitada. Há uma singularidade apreciável na origem funcional de cada nervo espinhal e, portanto, não podemos dizer que eles "se encontram".
IMAGEM


Onde os 31 nervos espinhais começam / se encontram? - Biologia

Todos nós já sentimos dor e, embora desconfortável, provavelmente nos forneceu informações importantes sobre danos nos tecidos & # 8212, que poderiam ter piorado se a dor não nos tivesse alertado sobre os problemas em questão. Em resposta à dor, tendemos a “proteger” o tecido danificado de uso posterior e procuramos atendimento médico adequado. Assim, a dor é uma sensação crítica para nos alertar sobre problemas dentro do corpo, de forma que possam ser tratados de forma adequada.

Os receptores de dor, chamados nociceptores, estão espalhados pela maioria dos tecidos do corpo, com exceção do sistema nervoso central. Eles respondem a estímulos nociceptivos ou nocivos que levam à nossa percepção da dor. Esses receptores variam nos estímulos específicos aos quais respondem, bem como na rapidez com que transmitem informações ao sistema nervoso central.

Você provavelmente percebe que existem muitos estímulos nocivos. Temperatura extrema, uma beliscada, impacto contundente, cortes, gases intestinais, uso excessivo das articulações e outros podem provocar a sensação de dor. Isso ocorre porque todos esses estímulos têm a capacidade de ativar diretamente os nociceptores ou causar danos aos tecidos que levam à liberação de substâncias químicas que irão ativar os nociceptores. Você também entende que a sensação de dor pode mudar com o tempo, onde uma lesão pode começar com uma dor aguda, tornar-se opaca e até mesmo voltar a arder sob certas condições, como quando alguém toca a área ferida. A combinação de nociceptores estimulados ajuda a determinar as características da dor sentida. Exemplos de locais e tipos de nociceptores estão listados na Tabela abaixo.

Os nociceptores silenciosos (sono) listados na tabela têm a propriedade única de normalmente não responderem à estimulação até serem “ligados” por produtos químicos liberados durante o processo inflamatório. Esta é uma das razões pelas quais, depois de dar uma topada com o dedo do pé ou beliscar o dedo, você pode ter pensado “isso vai doer”. Você sabe que, uma vez que o tecido inflama (incha), é provável que uma dor latejante se instale à medida que outros nociceptores são ativados.

Além do estímulo nocivo que ativa um receptor, o tipo de axônio (fibra) que o neurônio receptor contém também contribui para a forma como percebemos a dor. Em geral, as fibras podem ser divididas em 2 categorias, com as propriedades listadas na tabela abaixo.

Categorias de dor

Como existem vários tipos de nociceptores que podem transmitir informações em taxas diferentes, nossa sensação de dor nem sempre é a mesma. Os cientistas geralmente reconhecem três categorias diferentes de dor (sensações ou modalidades de estímulo), conforme descrito na tabela abaixo.


Nervos espinhais

Existem 31 pares de nervos espinhais. Novamente, eles são nomeados de acordo com a localização de cada saída na espinha (veja a figura abaixo).

Cada nervo espinhal está ligado à medula espinhal por dois raízes: um dorsal (ou posterior) raiz que retransmite informações sensoriais e ventral (ou anterior) root que retransmite as informações do motor. Portanto, uma vez que as duas raízes se juntam para formar o nervo espinhal, o nervo carrega uma combinação de informações sensoriais e motoras (ou seja, ele contém fibras misturadas).

As fibras da raiz sensorial transportam impulsos sensoriais do corpo para a medula espinhal, que em última instância retransmite essa informação para o cérebro. Os impulsos sensoriais incluem - dor, temperatura, vibração, toque e sentido de posição (propriocepção) - de órgãos, tendões, articulações e superfícies corporais.

Existe um padrão específico de como os nervos transportam informações sensoriais da pele para o cérebro. Cada nervo espinhal carrega informações sensoriais de regiões específicas de nossa pele. Essas regiões são chamadas dermátomos (veja abaixo)

As raízes motoras transportam impulsos do cérebro e da medula espinhal para os músculos do corpo. Isso nos permite controlar os muitos músculos de nosso corpo.

Os nervos espinhais são divididos em quatro categorias principais de nervos espinhais com base na localização de onde se ramificam

  • 8 cervical Nervos (C1-C8) emergem da coluna cervical (pescoço)
  • 12 torácica (T1-T12) nervos emergem da coluna torácica (meio das costas)
  • 5 lombar Nervos (L1-L5) emergem da coluna lombar (parte inferior das costas)
  • 5 sacral (S1-S5) os nervos emergem do sacro (o osso triangular na base da coluna)
  • 1 coccígeo nervo emerge do cóccix (cóccix)

Abaixo está um gráfico que descreve as principais funções de cada uma das raízes nervosas da coluna vertebral:

Raiz do nervo espinhal Músculos principais inervados Outras funções notáveis
C1 Rectus capitis anterior / lateralis
C2 Longus capitis / longus cervicis / escaleno
C3 Escápulas levantadoras, rombóides Diafragma
C4 Escápulas levantadoras, rombóides Diafragma
C5 Levator escápulas, rombóides, deltóides, músculos do manguito rotador Diafragma, reflexo do bíceps
C6 Bíceps, extensores do punho (por exemplo, extensor radial curto do carpo e amp longus) Reflexo braquiorradial
C7 Tríceps, flexores do punho (por exemplo, flexor radial do carpo, flexor superficial dos dedos) Reflexo do tríceps
C8 Extensores do dedo (por exemplo, extensor longo do polegar)
T1 Abdutores / adutores de dedo (por exemplo, interósseos, lumbricais) Saída do nervo simpático para as vísceras
T2-T12 Saída do nervo simpático para as vísceras
L1 Saída do nervo simpático para as vísceras
L2 Flexores do quadril
L3 Flexores do quadril, quadríceps
L4 Quadríceps, tibial anterior, músculos glúteos Reflexo do quadríceps
L5 Extensor longo do hálux, abdutores do quadril, músculos glúteos
S1 Complexo gastrocsoleus Reflexo de Aquiles
S2-4 Saída do nervo parassimpático para as vísceras


Sistema Nervoso Simpático

Os sistemas nervosos simpático e parassimpático costumam ter efeitos opostos nos órgãos-alvo.


Como os nervos espinhais afetam as funções do corpo

Na verdade, existem 31 pares de nervos espinhais cujas raízes passam pelo que é conhecido como forames intervertebrais, que são essencialmente aberturas nas vértebras. Doze deles são nervos espinhais torácicos, que são responsáveis ​​pelo movimento do corpo nas áreas do tórax e abdômen, e dos dedos de cada mão. Oito nervos cervicais localizados no pescoço possibilitam o movimento nos braços e na parte superior do tronco, incluindo o pescoço, e também regulam o processo respiratório. Existem também cinco nervos lombares e cinco nervos sacrais na parte inferior das costas que exercem controle sobre o funcionamento do intestino e da bexiga, bem como dos órgãos sexuais. O nervo coccígeo é a parte final deste próximo trabalho e se estende até o cóccix.

Partes diferentes de cada nervo espinhal têm funções diferentes. A parte frontal, ou anterior, carrega impulsos do cérebro que por sua vez controlam as reações motoras, permitindo que os músculos se movam. A seção posterior ou dorsal carrega para o cérebro informações que foram obtidas de vários órgãos, incluindo temperaturas quentes ou frias sentidas pelas mãos ou a textura do solo sentida pelos pés. Os nervos espinhais também desempenham uma importante função autonômica por meio da regulação dos órgãos internos, incluindo as batidas do coração. O sistema nervoso autônomo no qual os nervos espinhais desempenham um papel importante é ele próprio dividido em aspectos simpáticos e parassimpáticos, que, alternativamente, exercem controle sobre certas ações involuntárias do corpo em momentos de estresse e durante o repouso.


Onde os 31 nervos espinhais começam / se encontram? - Biologia

Função: Para transmitir informações de e para o seu cérebro

Localização: dentro do seu backbone

Descrição: Cabo branco com cerca de 43 cm de comprimento e 2 cm de largura

A medula espinhal é um feixe de nervos brancos e brilhantes, que vai do cérebro até um canal na coluna vertebral. Tem cerca de 40 cm de comprimento e quase a largura do polegar na maior parte de seu comprimento.

Assim como o cérebro, a medula espinhal faz parte do sistema nervoso central. Sua principal função é transmitir informações sobre o que está acontecendo dentro e fora de seu corpo para e de seu cérebro.

Sistema nervoso periférico

31 pares de nervos espinhais conectam sua medula espinhal ao resto de seu corpo. Esses nervos fazem parte do sistema nervoso periférico. Eles carregam informações na forma de impulsos nervosos da medula espinhal para o resto do corpo e do corpo para a medula espinhal.

Dependendo de onde os nervos espinhais se ramificam, eles fornecem diferentes partes do seu corpo:

  • Região cervical: supre a nuca, pescoço, ombros, braços, mãos e diafragma
  • Região torácica: fornece seu tórax e algumas partes de seu abdômen
  • Região lombar: supre a parte inferior das costas, bem como partes de suas coxas e pernas
  • Região sacral: supre suas nádegas, grande parte de suas pernas e pés, bem como sua região anal e genital

Se a medula espinhal for danificada em um acidente, as seções abaixo da lesão serão cortadas do circuito de informações de e para o seu cérebro. Isso significa que todos os nervos - e todas as partes do corpo - ligados a essas áreas da medula espinhal também serão desconectados do cérebro e deixarão de funcionar.

Para minimizar o risco de tal lesão, sua medula espinhal está bem protegida:


185 O Sistema Nervoso Periférico

Ao final desta seção, você será capaz de fazer o seguinte:

  • Descreva a organização e funções dos sistemas nervosos simpático e parassimpático
  • Descreva a organização e função do sistema nervoso sensório-somático

O sistema nervoso periférico (SNP) é a conexão entre o sistema nervoso central e o resto do corpo. O CNS é como a usina de força do sistema nervoso. Ele cria os sinais que controlam as funções do corpo. O PNS é como os fios que vão para as casas individuais. Sem esses “fios”, os sinais produzidos pelo SNC não poderiam controlar o corpo (e o SNC também não seria capaz de receber informações sensoriais do corpo).

O PNS pode ser dividido em sistema nervoso autônomo, que controla as funções corporais sem controle consciente, e sistema nervoso sensório-somático, que transmite informações sensoriais da pele, músculos e órgãos sensoriais para o SNC e envia comandos motores do CNS para os músculos.

Sistema nervoso autónomo


Qual das seguintes afirmações é falsa?

  1. A via parassimpática é responsável pelo repouso do corpo, enquanto a via simpática é responsável pela preparação para uma emergência.
  2. A maioria dos neurônios pré-ganglionares na via simpática se origina na medula espinhal.
  3. A desaceleração dos batimentos cardíacos é uma resposta parassimpática.
  4. Os neurônios parassimpáticos são responsáveis ​​pela liberação de norepinefrina no órgão-alvo, enquanto os neurônios simpáticos são responsáveis ​​pela liberação de acetilcolina.

O sistema nervoso autônomo atua como retransmissor entre o SNC e os órgãos internos. Ele controla os pulmões, o coração, o músculo liso e as glândulas exócrinas e endócrinas. O sistema nervoso autônomo controla esses órgãos em grande parte sem controle consciente; ele pode monitorar continuamente as condições desses diferentes sistemas e implementar mudanças conforme necessário. A sinalização para o tecido-alvo geralmente envolve duas sinapses: um neurônio pré-ganglionar (originado no SNC) faz sinapses com um neurônio em um gânglio que, por sua vez, faz sinapses no órgão-alvo, conforme ilustrado na (Figura). Existem duas divisões do sistema nervoso autônomo que geralmente têm efeitos opostos: o sistema nervoso simpático e o sistema nervoso parassimpático.

Sistema Nervoso Simpático

O sistema nervoso simpático é responsável pela resposta de “lutar ou fugir” que ocorre quando um animal encontra uma situação perigosa. Uma maneira de lembrar isso é pensar na surpresa que uma pessoa sente ao encontrar uma cobra (“cobra” e “simpático” começam com “s”). Exemplos de funções controladas pelo sistema nervoso simpático incluem frequência cardíaca acelerada e digestão inibida. Essas funções ajudam a preparar o corpo de um organismo para o esforço físico necessário para escapar de uma situação potencialmente perigosa ou para afastar um predador.


A maioria dos neurônios pré-ganglionares no sistema nervoso simpático se origina na medula espinhal, conforme ilustrado na (Figura). Os axônios desses neurônios liberam acetilcolina nos neurônios pós-ganglionares dentro dos gânglios simpáticos (os gânglios simpáticos formam uma cadeia que se estende ao longo da medula espinhal). A acetilcolina ativa os neurônios pós-ganglionares. Os neurônios pós-ganglionares, então, liberam norepinefrina nos órgãos-alvo. Como qualquer pessoa que já sentiu pressa antes de um grande teste, discurso ou evento atlético pode atestar, os efeitos do sistema nervoso simpático são bastante generalizados. Isso ocorre porque um neurônio pré-ganglionar faz sinapses em vários neurônios pós-ganglionares, amplificando o efeito da sinapse original, e porque a glândula adrenal também libera norepinefrina (e o hormônio estreitamente relacionado, epinefrina) na corrente sanguínea. Os efeitos fisiológicos desta liberação de norepinefrina incluem dilatar a traqueia e os brônquios (tornando mais fácil para o animal respirar), aumentar a frequência cardíaca e mover o sangue da pele para o coração, músculos e cérebro (para que o animal possa pensar e correr ) A força e a velocidade da resposta simpática ajudam um organismo a evitar o perigo, e os cientistas encontraram evidências de que ela também pode aumentar a LTP - permitindo que o animal se lembre da situação perigosa e a evite no futuro.

Sistema Nervoso Parassimpático

Enquanto o sistema nervoso simpático é ativado em situações estressantes, o sistema nervoso parassimpático permite que um animal "descanse e faça a digestão". Uma maneira de lembrar isso é pensar que durante uma situação de descanso, como um piquenique, o sistema nervoso parassimpático está no controle (“piquenique” e “parassimpático” começam com “p”). Os neurônios pré-ganglionares parassimpáticos possuem corpos celulares localizados no tronco cerebral e na medula espinhal sacral (em direção à parte inferior), conforme mostrado na (Figura). Os axônios dos neurônios pré-ganglionares liberam acetilcolina nos neurônios pós-ganglionares, que geralmente estão localizados muito próximos aos órgãos-alvo. A maioria dos neurônios pós-ganglionares libera acetilcolina nos órgãos-alvo, embora alguns liberem óxido nítrico.

O sistema nervoso parassimpático redefine a função orgânica depois que o sistema nervoso simpático é ativado (o despejo comum de adrenalina que você sente após um evento de "luta ou fuga"). Os efeitos da liberação de acetilcolina nos órgãos-alvo incluem desaceleração da freqüência cardíaca, redução da pressão arterial e estimulação da digestão.

Sistema nervoso sensório-somático

O sistema nervoso sensório-somático é composto de nervos cranianos e espinhais e contém neurônios sensoriais e motores. Os neurônios sensoriais transmitem informações sensoriais da pele, músculo esquelético e órgãos sensoriais para o SNC. Os neurônios motores transmitem mensagens sobre o movimento desejado do SNC para os músculos para fazê-los se contraírem. Sem seu sistema nervoso sensório-somático, um animal seria incapaz de processar qualquer informação sobre seu ambiente (o que ele vê, sente, ouve e assim por diante) e não poderia controlar os movimentos motores. Ao contrário do sistema nervoso autônomo, que tem duas sinapses entre o SNC e o órgão-alvo, os neurônios sensoriais e motores têm apenas uma sinapse - uma extremidade do neurônio está no órgão e a outra entra em contato direto com um neurônio do SNC. A acetilcolina é o principal neurotransmissor liberado nessas sinapses.

Os humanos têm 12 nervos cranianos, nervos que emergem ou entram no crânio (crânio), em oposição aos nervos espinhais, que emergem da coluna vertebral. Cada nervo craniano recebe um nome, que é detalhado na (Figura). Alguns nervos cranianos transmitem apenas informações sensoriais. Por exemplo, o nervo olfatório transmite informações sobre cheiros do nariz para o tronco cerebral. Outros nervos cranianos transmitem quase exclusivamente informações motoras. Por exemplo, o nervo oculomotor controla a abertura e o fechamento da pálpebra e alguns movimentos dos olhos. Outros nervos cranianos contêm uma mistura de fibras sensoriais e motoras. Por exemplo, o nervo glossofaríngeo desempenha um papel tanto no paladar (sensorial) quanto na deglutição (motora).


Os nervos espinhais transmitem informações sensoriais e motoras entre a medula espinhal e o resto do corpo. Cada um dos 31 nervos espinhais (em humanos) contém axônios sensoriais e motores. Os corpos celulares dos neurônios sensoriais são agrupados em estruturas chamadas gânglios da raiz dorsal e são mostrados na (Figura). Cada neurônio sensorial tem uma projeção - com um receptor sensorial terminando na pele, músculo ou órgãos sensoriais - e outro que faz sinapses com um neurônio na medula espinhal dorsal. Os neurônios motores têm corpos celulares na substância cinzenta ventral da medula espinhal que se projetam para o músculo através da raiz ventral. Esses neurônios são geralmente estimulados por interneurônios dentro da medula espinhal, mas às vezes são estimulados diretamente por neurônios sensoriais.


Resumo da Seção

O sistema nervoso periférico contém os sistemas nervoso autônomo e sensório-somático. O sistema nervoso autônomo fornece controle inconsciente sobre as funções viscerais e tem duas divisões: o sistema nervoso simpático e o parassimpático. O sistema nervoso simpático é ativado em situações estressantes para preparar o animal para uma resposta de “luta ou fuga”. O sistema nervoso parassimpático está ativo durante os períodos de descanso. O sistema nervoso sensório-somático é composto de nervos cranianos e espinhais que transmitem informações sensoriais da pele e do músculo para o SNC e comandos motores do SNC para os músculos.

Perguntas de conexão visual

(Figura) Qual das seguintes afirmações é falsa?

  1. A via parassimpática é responsável por relaxar o corpo, enquanto a via simpática é responsável pela preparação para uma emergência.
  2. A maioria dos neurônios pré-ganglionares na via simpática se origina na medula espinhal.
  3. A desaceleração dos batimentos cardíacos é uma resposta parassimpática.
  4. Os neurônios parassimpáticos são responsáveis ​​pela liberação de norepinefrina no órgão-alvo, enquanto os neurônios simpáticos são responsáveis ​​pela liberação de acetilcolina.

Perguntas de revisão

A ativação do sistema nervoso simpático causa:

  1. aumento do fluxo sanguíneo na pele
  2. uma diminuição da freqüência cardíaca
  3. um aumento da freqüência cardíaca
  4. aumento da digestão

Onde estão localizados os corpos celulares pré-ganglionares parassimpáticos?

________ é liberado pelas terminações nervosas motoras no músculo.

Questões de pensamento crítico

Quais são as principais diferenças entre os ramos simpático e parassimpático do sistema nervoso autônomo?

O sistema nervoso simpático prepara o corpo para "lutar ou fugir", enquanto o sistema nervoso parassimpático permite que o corpo "descanse e faça a digestão". Os neurônios simpáticos liberam norepinefrina nos órgãos-alvo. Os neurônios parassimpáticos liberam acetilcolina. Os corpos celulares dos neurônios simpáticos estão localizados nos gânglios simpáticos. Os corpos celulares dos neurônios parassimpáticos estão localizados no tronco cerebral e na medula espinhal sacral. A ativação do sistema nervoso simpático aumenta a freqüência cardíaca e a pressão sanguínea e diminui a digestão e o fluxo sanguíneo para a pele. A ativação do sistema nervoso parassimpático diminui a freqüência cardíaca e a pressão sanguínea e aumenta a digestão e o fluxo sanguíneo para a pele.

Quais são as principais funções do sistema nervoso sensório-somático?

O sistema nervoso sensório-somático transmite informações sensoriais da pele, músculos e órgãos sensoriais para o SNC. Ele também envia comandos motores do SNC para os músculos, fazendo com que eles se contraiam.

Descreva como o sistema nervoso sensório-somático reage por reflexo a uma pessoa tocando em algo quente. Como isso permite respostas rápidas em situações potencialmente perigosas?

A pele de uma pessoa entra em contato com um objeto quente e a alta temperatura é reconhecida pelos termorreceptores de um neurônio sensorial. O sinal é retransmitido para a medula espinhal e enviado para um neurônio motor. O neurônio motor retransmite o sinal para seu axônio e produz acetilcolina para contrair o músculo que puxará a pessoa para longe do objeto quente. Ao conectar os neurônios sensoriais e motores na medula espinhal (em vez de integrar o sinal no cérebro), o corpo pode responder mais rápido.

Os cientistas sugeriram que o sistema nervoso autônomo não está bem adaptado à vida humana moderna. Como o sistema nervoso simpático é uma resposta ineficaz aos desafios diários enfrentados pelos humanos modernos?

Muitos eventos na vida humana moderna não são perigos físicos, em vez disso, são eventos que chamamos de "estresse". Encontrar o dinheiro para pagar seus empréstimos estudantis ou ficar nervoso antes de um teste ainda ativa o sistema nervoso simpático, mas essas situações não exigem a resposta de lutar ou fugir para sobreviver.

Glossário


Onde os 31 nervos espinhais começam / se encontram? - Biologia

É necessária uma assinatura do J o VE para visualizar este conteúdo. Você só poderá ver os primeiros 20 segundos.

O reprodutor de vídeo JoVE é compatível com HTML5 e Adobe Flash. Navegadores mais antigos que não suportam HTML5 e o codec de vídeo H.264 ainda usarão um reprodutor de vídeo baseado em Flash. Recomendamos baixar a versão mais recente do Flash aqui, mas oferecemos suporte a todas as versões 10 e superiores.

Se isso não ajudar, por favor nos avise.

A medula espinhal é um cilindro espesso de tecido nervoso que compreende parte do sistema nervoso central, comunicando informações sensoriais aferentes da periferia para o cérebro e informações motoras eferentes do cérebro para a periferia.

Em corte transversal, a massa cinzenta no interior da medula espinhal parece em forma de borboleta. O corno ventral da substância cinzenta contém neurônios motores. É cercado por substância branca com grupos de axônios de ambos os tratos ascendente e descendente. No centro está um canal central que contém o líquido cefalorraquidiano que nutre o tecido nervoso. A própria medula é cercada por membranas, as meninges espinhais, que incluem a dura-máter.

Conectada no tronco cerebral, a medula espinhal atravessa o forame magno e a série de ossos da coluna vertebral até terminar no nível lombar de L1-2 e formar um longo feixe de nervos chamado cauda eqüina. É subdividido em níveis ou regiões determinadas pela posição das vértebras com os nervos espinhais emparelhados.

Por exemplo, a coluna cervical, regiões C2 a C7, correspondem aos nervos que inervam o pescoço, ombros, braços e mãos. Dentro de cada vértebra, os pares de raízes nervosas saem pelo forame vertebral em ramos separados. A raiz do nervo ventral tem como alvo os músculos para controlar o movimento, enquanto a raiz do nervo dorsal inerva a pele para transmitir as sensações. Cada área da pele inervada por um nervo espinhal específico é chamada de dermátomo e retratada por mapas de dermátomo. Esses mapas são projetados para ajudar os médicos a identificar a origem de uma determinada dor ou condição de pele.

20,10: A Medula Espinhal

A medula espinhal é o principal trato nervoso do sistema nervoso central, comunicando informações sensoriais aferentes da periferia para o cérebro e informações motoras eferentes do cérebro para o corpo. A medula espinhal humana se estende desde o orifício na base do crânio, ou forame magno, até o nível da primeira ou segunda vértebra lombar.

Vista em corte transversal

A medula espinhal é cilíndrica e contém matéria branca e cinzenta. No centro está o canal central, que é o remanescente do lúmen do tubo neural primitivo e faz parte do sistema interno das cavidades do líquido cefalorraquidiano. Em corte transversal, a massa cinzenta em torno do canal central parece em forma de borboleta.

As asas da borboleta são divididas em chifres dorsais e ventrais. O corno dorsal contém núcleos sensoriais que transmitem informações sensoriais, e o corno ventral contém neurônios motores que dão origem aos axônios que inervam o músculo esquelético.

A substância branca envolve a substância cinzenta e contém um grande número de fibras mielinizadas. A substância branca é organizada em feixes longitudinais chamados colunas dorsal, lateral e ventral. Três membranas circundam a medula espinhal: a pia adere intimamente à superfície da medula espinhal, seguida pela aracnóide, e a dura-máter - a dura bainha externa.

Organização

A medula espinhal é dividida em quatro regiões diferentes e é organizada por segmentos. Existem 31 pares de nervos saindo da medula: oito cervicais, 12 torácicos, cinco lombares, cinco sacrais e um coccígeo.

Dermatomes

Cada segmento da medula espinhal inerva uma região diferente do corpo e é representado na pele como um dermátomo. Um dermátomo é uma área da pele irrigada por um nervo periférico originado de um único gânglio da raiz dorsal. Clinicamente, os mapas do dermátomo são úteis para determinar o nível das lesões da medula espinhal e para localizar as lesões da raiz nervosa periférica. No entanto, deve-se levar em consideração que há considerável variação e sobreposição de dermátomos de segmentos espinhais adjacentes. Embora existam 31 pares de nervos espinhais, existem apenas 30 dermátomos, pois C1 geralmente não tem raiz espinhal e, portanto, o primeiro dermátomo corresponde a C2.

Hochman, Shawn. & ldquoSpinal Cord. & rdquo Biologia Atual 17, não. 22 (20 de novembro de 2007): R950 e ndash55. [Fonte]

Ahuja, Christopher S., Satoshi Nori, Lindsay Tetreault, Jefferson Wilson, Brian Kwon, James Harrop, David Choi e Michael G. Fehlings. & ldquo Lesão traumática da medula espinhal & mdashRepair and Regeneration. & rdquo Neurocirurgia 80, não. 3S (1 de março de 2017): S9 e ndash22. [Fonte]


Onde os 31 nervos espinhais começam / se encontram? - Biologia

Aqui estamos nós, uma semana conhecendo sua medula espinhal (lembre-se de que temos uma nova categoria para você encontrar essas postagens). Se você está apenas começando, pode dar uma olhada em nossa nova categoria de neuroanatomia e começar com o primeiro post. Para aqueles de vocês que estão acompanhando, cobrimos alguns dos principais tratos da medula espinhal, então vamos mergulhar um pouco na estrutura! Primeiro, vamos falar sobre os nervos espinhais e o que exatamente esses caras fazem.

Já falamos sobre eles nos últimos posts, nervos espinhais. Especificamente, discutimos que existe algo chamado gânglio da raiz dorsal, que dentro dele abriga o corpo celular do nervo. Esse nervo é um neurônio pseudounipolar, cujo nome deve-se à sua aparência. Abaixo está uma imagem do gânglio da raiz dorsal e do neurônio pseudounipolar.

Observe que em nosso gânglio da raiz dorsal há um corpo celular, o elemento nervoso é nosso neurônio pseudounipolar e a posição do corpo celular é o motivo pelo qual ele é um neurônio pseudounipolar (porque está longe do áxion).

Você também notará que também temos uma raiz ventral. A raiz dorsal é a via aferente e a raiz ventral abriga nossa via eferente (lembre-se Esinais diferentes Exite o cérebro). Você também pode ter percebido que, ao contrário da raiz dorsal, não há gânglio e não há neurônio pseudounipolar. Isso ocorre porque o corpo celular fica dentro da medula espinhal (veja a bolha vermelha e azul). Este tipo de neurônio é denominado neurônio multipolar. Se você estiver interessado, existem alguns outros tipos (incluindo um unipolar, não apenas o pseudounipolar) e temos uma bela imagem abaixo que mostra todos eles.

Como a vértebra da medula espinhal, numeramos os nervos que saem da medula espinhal de acordo com o local de saída (cervical, torácica, lombar, sacral e coccígea. Nossa medula espinhal é (em sua maior parte) uma imagem em espelho por si só, então quando falamos de nervos, estamos realmente falando de pares de nervos (não confundir com as raízes dorsal e ventral, estamos falando sobre o lado esquerdo e direito da medula espinhal, não da frente para trás). sendo dito, temos 31 pares de nervos espinhais, eles são:

  • 8 nervos cervicais (localizados no pescoço)
  • 12 nervos torácicos (localizados no tórax)
  • 5 nervos lombares (localizados no abdômen)
  • 5 nervos sacrais (localizados na pelve)
  • 1 nervo coccígeo solitário (localizado no cóccix)

Lembre-se de que não é apenas um nervo que sai ou entra, é um agrupamento de nervos. The number of axons (or nerve fibers) in a the dorsal and ventral roots can vary anywhere from just a handful, to more than a million!

Now that we’ve covered that, we can also talk about how they innervate the body. While the spinal cord (much like the brain) is a black box, we have a really good handle on how it connects to the body. If you’ve never seen one, every single drawing looks like someone who’s never seen a human and had to find a way to pose them. Below is a good example of this, while it’s funny looking, it actually does a great job of showcasing where the nerves attach to the body. From a diagram like this, you can actually determine approximately where you would lose sensation if there were a spinal cord injury.

These maps are commonly called dermatome maps. A dermatome is a fancy term for the an area of skin supplied by peripheral nerve fibers originating from a single dorsal root ganglion. This means that if we were to cut a nerve, you would lose sensation from that dermatome. This is a sensory map, so it highlights the ascending pathway. Derma, meaning skin is the giveaway for this map.

Knowing that, it may not surprise you that we can do the same for the descending pathway (motor pathway) and it is called a myotome map (myo meaning muscle). Interestingly the myotome map looks very similar (but not exact, a good example of this is the hand being innervated at C6 below and C7 above) to the dermatome map. So let’s look at the myotome map. This one is posed a little nicer.

So now we have a very detailed map of where everything connects! Not only that, but we have a map of both the major afferent pathway and efferent pathway. So once again, while we don’t know exactly what’s going on in the spinal cord, we do have a very good idea of how it all attaches at least.

Where do we go from here? Good question, I think, THINK, that I will cover some of the grey matter organization next. We’ve done a good job of looking at the white matter organization, but we haven’t really touched on the grey matter. This will give us a more rounded knowledge base I think. We will also (probably) go over reflexes, what we know about the spine, what we’re trying to figure out, and some of the more interesting cases of spinal cord injury.

So that’s your look ahead for the day. I hope by the end of this post, you’ve gained an understanding of how the nerves that connect to the spinal cord are organized and what they do. If you know that (even in the broadest sense) then I’ve done my job. If there are any questions, comments, or concerns, don’t hesitate to ask!


Where do the 31 spinal nerves start/meet? - Biologia

Sistema nervoso periférico

  • Nerves and ganglia outside the central nervous system.
  • Nerve = bundle of neuron fibers.
  • Neuron fibers are bundled by a connective tissue sheath.

Peripheral Nervous System: Crash Course A&P #12

  • Classified according to the direction in which they transmit impulses.
  • Mixed nerves – carry both sensory and motor fibers – spinal nerves.
  • Afferent (sensory) nerves – carry impulses toward the CNS .
  • Efferent (motor) nerves – carry impulses away from the CNS.

The spinal cord is attached to the brain at the foramen magnum. It expands just below this junction as the cervical enlargement. This enlargement is due to the increased neural connections with the upper extremities. Another increase in the diameter of the cord is the lumbar enlargement and it is due to the neural connections with the lower extremities. The end of the cord is the conus medullaris and this is found at the region of the first or second lumbar vertebra. The shortness of the spinal cord occurs because it matures early and the vertebral column continues to grow. The neural fibers continue in the vertebral canal as the cauda equina, a structure that resembles a horse's tail. The cord is attached to the coccyx by an extension of the pia mater called the filum terminale.

Spinal Cord and Spinal Nerves

When seen in cross section, the spinal cord is composed of an internal arrangement of gray matter resembling a butterfly and an external white matter. The two thin strips of gray matter are the posterior gray horns and the more rounded sections are the anterior gray horns. o lateral gray horns are found in the thoracic and lumbar regions. The hole in the middle of the spinal cord is the canal central and the gray matter that surrounds the central canal is the gray commissure. The spinal cord has two main depressions in it, the posterior median sulcus e a anterior median fissure. Attached to the spinal cord are the spinal nerves that take impulses from the spinal cord to the peripheral nerves and impulses to the spinal cord. The spinal nerves are mixed nerves that pass through the intervertebral foramina of the vertebral column. The spinal nerve splits into a raiz dorsal e um ventral root. The dorsal root ganglion is a swelling of the dorsal root within its intervertebral foramen. The dorsal root ganglion contains the nerve cell bodies of the sensory neurons corning from the body. The ganglion leads to the dorsal root which branches into the rootlets. These branches carry sensory information to the posterior gray horn of the spinal cord. The ventral root carries motor information from the anterior gray horn and innervates muscles. Both the brain and spinal cord have layers that cover the nervous tissue. These are known as the meninges and there are three layers. A camada mais externa é a dura-máter and it is a tough connective tissue layer. Underneath this layer is the arachnoid mater, which is so named because it looks like a spider web. At a deeper layer is the subarachnoid space, which is filled with cerebrospinal fluid. The deepest of the layers is the pia-máter and it is located on the surface of the nervous tissue.

Spinal Cord - External Anatomy - 3D Anatomy Tutorial

Dermatomes are regions of the skin innervated by nerves. The nerves receive sensory inputs from the skin and take that information back to the spinal cord. The clinical importance of dermatomes is the role they play in assessing spinal cord damage. If there is a significant spinal cord injury, then the regions below the level of the injury may not transmit sensory signals to the brain. Lack of sensation in specific areas of the skin provides a base of understanding of where the trauma may be located.

Interactive 3D Dermatomes

Describe the general structure of a nerve.

A bundle of neuron fibers found outside the CNS – within a nerve, neurons fibers, or processes , are wrapped in protective connective tissue coverings

Each fiber is surrounded by a delicate connective tissue sheath, an endoneurium

Groups of fibers are found by a coarser connective tissue wrapping, the perineuruim to form fiber bundles, or fascicles

Fascicles are bound together by a tough fibrous sheath, the epineurium , to form the cordlike nerve.

  • Endoneurium surrounds each fiber.
  • Groups of fibers are bound into fascicles by perineurium.
  • Fascicles are bound together by epineurium.

Neurons or nerve cells - Structure function and types of neurons | Human Anatomy | 3D Biology

Identify the cranial nerves by number and by name, and list the major functions of each.

12 pairs of cranial nerves are numbered in order, and in most cases, their names reveal the most important structures they control.

  • eu Olfactory nerve – sensory for smell.
  • II Optic nerve – sensory for vision.
  • III Oculomotor nerve – motor fibers to.
  • III Oculomotor nerve – motor fibers to eye muscles.
  • 4 Trochlear – motor fiber to eye muscles.
  • V Trigeminal nerve – sensory for the face motor fibers to chewing muscles.
  • VI Abducens nerve – motor fibers to eye muscles.
  • VII Facial nerve – sensory for taste motor fibers to the face.
  • VIII Vestibulocochlear nerve – sensory for balance and hearing.
  • IX Glossopharyngeal nerve – sensory for taste motor fibers to the pharynx.
  • X Vagus nerves – sensory and motor fibers for pharynx, larynx, and viscera.
  • XI Accessory nerve – motor fibers to neck and upper back.
  • XII Hypoglossal nerve – motor fibers to tongue.

The cranial nerves are those nerves that attach to the brain. They are paired and are numbered (typically by Roman numerals) from anterior to posterior. o olfactory nerve is a sensory nerve that receives the sense of smell from the nose and transmits it to the brain. o optic nerve takes visual impulses from the eye while the oculomotor nerve mostly takes motor impulses to several muscles that move the eye. The trochlear nerve takes motor impulses to the superior oblique muscle. o trochlear nerve is so named because it innervates a muscle that passes through a loop called the trochlea. o nervo trigêmeo is a large nerve located laterally in the pons. It is a mixed nerve (having both sensory and motor functions) that has three branches. The ophthalmic branch innervates the upper head while the maxillary branch innervates the region around the maxilla. The mandibular branch innervates the jaw. o abducens nerve is posterior to the trigeminal and is located exiting the brain between the pons and the medulla oblongata. It is a motor nerve to the lateral rectus muscle of the eye. On the anterior portion of the medulla oblongata is the facial nerve, which is both a sensory and motor nerve to the face and the tongue. o vestibulocochlear nerve is a sensory nerve that receives impulses from the ear. It picks up auditory stimuli as well as information about equilibrium. o glossopharyngeal nerve is a nerve that carries both sensory and motor impulses. It innervates the tongue and throat. A large nerve on the side of the medulla oblongata is the vagus nerve. It is also a mixed nerve carrying both sensory and motor impulses. The vagus nerve innervates organs in the thoracic and abdominal regions. o accessory nerve is inferior to the vagus nerve and is a motor nerve to the neck muscles. o hypoglossal nerve is a motor nerve to the tongue.

Cranial Nerves Basics - 3D Anatomy Tutorial

Describe the origin and fiber composition of (a) ventral and dorsal roots, (b) the spinal nerve proper, and (c) ventral and dorsal rami.

Ventral root – of the spinal cord – where the cell bodies of the sensory neurons, whose fibers enter the cord by the dorsal root, and are found in an enlarged area called the dorsal root ganglion

Dorsal root – of the spinal cord – where the ventral horns of the gray matter contain cell bodies of motor neurons of the somatic (voluntary) nervous system, which send their axons out the ventral root of the cord – the dorsal and ventral roots fuse to form the spinal nerves

Spinal nerve proper – very short and splits into dorsal and ventral rami

Ventral rami –supply the muscles between the ribs and the skin and muscles of the anterior and lateral trunk

Dorsal rami – serve the posterior body trunk

both rami, like the spinal nerves, contain both motor and sensory fibers

Discuss the distribution of the dorsal and ventral rami of spinal nerves.

Dorsal rami – serve the skin and muscles of the posterior body trunk

Central rami – form the intercostal nerves, which supply the muscles between the ribs and the skin and muscles of the anterior and lateral trunk

The ventral rami of all other spinal nerves form complex networks of nerves called plexuses , which serve the motor and sensory needs of the limbs.

  • There is a pair of spinal nerves at the level of each vertebrae for a total of 31 pairs.
  • Spinal nerves are formed by the combination of the ventral and dorsal roots of the spinal cord.
  • Spinal nerves are named for the region from which they arise.
  • Spinal nerves divide soon after leaving the spinal cord.
  • Dorsal rami – serve the skin and muscles of the posterior trunk.
  • Ventral rami – forms a complex of networks (plexus) for the anterior, which serve the motor and sensory needs of the limbs.

Name the four major nerve plexuses, give the major nerves of each, and describe their distribution.

Brachial – C 5 – C 8 and T 1

Sacral – L 4 – L 5 and S 1 – S 4

Plexuses and Thoracic Nerves

There are 31 pairs of spinal nerves grouped by region of the vertebral column. o cervical nerves are the most superior and there are eight pairs of them. The first cervical nerves arise superior to the first cervical vertebra. o thoracic nerves arise as twelve pairs. They lead to nerves that innervate the muscles between the ribs and associated skin. There are five pairs of lumbar nerves and five pairs of sacral nerves. The last pair of spinal nerves is the coccygeal nerves. UMA plexo is a web-like arrangement of nerves that is near the spinal cord and gives rise to the terminal nerves. The most superior plexus is the cervical plexus which arises from the first five cervical spinal nerves. o brachial plexus receives input from the fifth through eighth cervical nerves and the first pair of thoracic nerves. o lumbar plexus arises from the first four pairs of lumbar nerves and the sacral plexus is associated with the last two pairs of lumbar nerves and the first four pairs of sacral nerves. Sometimes the lumbar and sacral plexuses are grouped together as the lumbosacral plexus.

Nerves of Cervical Plexus

o cervical plexus is a complex interweaving of branches from the first five pairs of cervical nerves. o hypoglossal nerve enters this plexus from the head. o ansa cervicalis is an arched structure (ansa is Latin for loop) that has many nerves innervating the anterior throat muscles. The major nerves of the cervical plexus are the two phrenic nerves that descend to the diaphragm and stimulate the diaphragm to contract. Conributions to the accessory nerve leave the cervical plexus from C2, 3, and 4.

Cervical Plexus | Anatomy Tutorial

Nerves of Brachial Plexus

The brachial plexus is associated with spinal nerves C4-8 and Tl. It leads to major nerves of the shoulder and arm. o nervo axilar arises from the brachial plexus and innervates the deltoid and the teres minor muscles. It also receives stimulation from the skin of the shoulder and lateral upper limb. o radial nerve innervates the triceps brachii muscle and the extensors of the forearm and hand. o nervo musculocutâneo innervates the anterior muscles of the arm (biceps brachii, brachialis, and coracobrachialis) and the skin on the lateral side of the forearm. The median nerve runs the length of the arm and forearm and innervates the anterior muscles of the forearm and the muscles associated with the thumb. o nervo ulnar passes along the posterior side of the medial epicondyle of the humerus and gives that tingling sensation of the "funny bone" when hit. It innervates the muscles of the medial side of the anterior hand.

Brachial Plexus - Branches - 3D Anatomy Tutorial

Nerves of Lumbar Plexus

The lumbar plexus leads to nerves on the anterior and the medial aspect of the thigh. A large nervo femoral arises from the lumbar plexus and innervates the four muscles of the quadriceps femoris group on the anterior thigh. o nervo obturador innervates the adductor muscles of the medial thigh and the genitofemoral nerve is a sensory nerve that receives impulses from the male scrotal sac and the labia majora in females. o iliohypogastric nerve innervates the muscles of the abdomen and the skin of the belly.The ilioinguinal nerve innervates the same muscles as does the iliohypogastric nerve and it receives sensory information from the base of the penis and the scrotum in males, and from the labia majora in females. o lateral femoral cutaneous nerve receives sensory information from the skin of the lateral thigh.

Lumbar Plexus - Structure and Branches - Anatomy Tutorial

Nerves of Sacral Plexus

The sacral plexus has nerves that provide genital innervation and also has motor nerves to the posterior hip, thigh, and anterior and posterior leg. o pudendal nerve innervates the penis and scrotum in males, the clitoris, labia, and distal vagina in females, and the muscles of the pelvic floor in both sexes.The sacral plexus also has the superior e inferior gluteal nerves that innervate the gluteal muscles and the nervo tibial e a nervo fibular comum. These last two nerves are grouped together as the nervo ciático, a large nerve of the posterior thigh. The tibial nerve innervates the hamstring muscles, the muscles of the calf, and the muscles originating on the foot. The common fibular nerve innervates the short head of the biceps femoris muscle, the muscles on the lateral side of the leg and the anterior surface of the leg. Cutaneous branches innervate the skin and muscular branches take motor information to the muscles.

Sacral Plexus | Anatomy Tutorial

Identify the site of origin and explain the function of the sympathetic and parasympathetic divisions of the autonomic nervous system.

  • The involuntary branch of the nervous system.
  • Consists of only motor nerves.
    • Divided into two divisions.
    • Sympathetic division – mobilizes the body.
    • Parasympathetic division – allows body to unwind.
    • Nerves
      • Somatic – one motor neuron – axons extend all the way to the skeletal muscle they serve.
      • Autonomic – preganglionic and postganglionic nerves.
      • Somatic – skeletal muscle.
      • Autonomic – smooth muscle, cardiac muscle, and glands.
      • Somatic – always use acetylcholine.
      • Autominic – use acetylcholine, epinephrine, or norepinephrine.
      • Originates from the brain stem and S2 – S4.
      • Neurons in the cranial region send axons out in cranial nerves to the head and neck organs.
      • They synapse with the second motor neuron in a terminal ganglion.
      • Terminal ganglia are at the effector organs.
      • Always uses acetylcholine as a neurotransmitter.
      • Originates from T1 through L2.
      • Preganglionic axons leave the cord in the ventral root, enter the spinal nerve, then pass through a ramus communications, to enter a sympathetic chain ganglion at the sympathetic chain (trunk) (near the spinal cord).
      • Short pre-ganglionic neuron and long postganglionic neuron transmit impulse from CNS to the effector.
      • Norepinephrine and epinephrine are neurotransmitters to the effector organs.

      Autonomic nervous system | Organ Systems | MCAT | Khan Academy

      Autonomic Nervous System: Crash Course A&P #13

      • Sympathetic – “fight-or-flight”.
        • Response to unusual stimulus.
        • Takes over to increase activities.
        • Remember as the “E” division = exercise, excitement, emergency, and embarrassment.
        • Conserves energy.
        • Maintains daily necessary body functions.
        • Remember as the “D” division - digestion, defecation, and diuresis.

        Parasympathetic division – the first neurons are located in brain nuclei of several cranial nerves – III, VII, IX, X and in the S 2 – S 4 level of the spinal cord – is active when the body is at rest and not threatened in any way – the resting and digesting system is chiefly concerned with promoting normal digestion and elimination of feces and urine, and with conserving body energy, and decreasing demands on the cardiovascular system

        Sympathetic division – the first neurons are in the gray matter of the spinal cord from T 1 – L 2 – the fight-or-flight system – works at full speed when you are emotionally upset and when you are physically stresses – effects of sympathetic nervous system activation continue for several minutes until its hormones are destroyed by the liver explaining why we need a calm down time even though the effects of the nerve impulses may act only briefly.

        Autonomic Nervous System - Sympathetic Division

        o sistema nervoso autônomo (ANS) regulates automatic functions of the human body. Changes in heart rate, pupil dilation, digestive functions, and blood flow to the kidney are all controlled by the ANS. There is some possibility of conscious regulation of parts of the ANS,but, for the most part, it functions without conscious control. There are two divisions of the autonomic nervous system. The resting state of the body is controlled by the divisão parassimpática. Digestion, kidney filtration, erection of the clitoris, erection of the penis, and pupil constriction are some of the functions of the parasympathetic division. This division is also known as the craniosacral division because the nerves exit the central nervous system (CNS) in these locations. The cranial segments go to the eye, salivary glands, heart, lung, digestive system, and kidneys. The sacral segments go to the lower digestive tract, bladder, and reproductive organs. o divisão simpática controls the "fight or flight" response of the body,shutting down the digestive functions, inhibiting erections, shunting blood away from the kidneys, and dilating the pupils. The sympathetic division increases heart rate, dilates capillaries in the lungs, brain and muscle tissue, and stimulates the adrenal glands. This division is also known as the thoracolumbar division because the nerves exit the CNS in the thoracic and lumbar regions of the spinal cord. There are ganglia associated with the sympathetic division and these are located on either side of the ventral portion of the vertebral column. They are called the gânglios da cadeia simpática and the neurons from the thoracolumbar division synapse with nerve cells in these ganglia.

        Autonomic Nervous System - Parasympathetic Division

        The parasympathetic and sympathetic divisions are antagonistic to one another and organs under the influence of the ANS have dual innervation. Typically,one division either inhibits the organ from functioning or causes an increase in activity in the organ. This occurs due to the difference in neurotransmitters secreted by the separate divisions. At the terminal end of the parasympathetic division, the neurotransmitter is acetylcholine. At the terminal end of the sympathetic division, the neurotransmitter is mostly norepinephrine. The neurons leaving the CNS are called preganglionic neurons. In the case of the parasympathetic division, the preganglionic neurons secrete acetylcholine as neurotransmitters. o ganglia of the parasympathetic division are next to, or in, the organ they innervate. o postganglionic neurons secrete acetylcholine as well. In the sympathetic division, the preganglionic neurons secrete acetylcholine in the sympathetic chain ganglia. The postganglionic neurons mostly secrete norepinephrine to stimulate or inhibit the organs they innervate.


        Assista o vídeo: 31. Ania z Zielonego Wzgórza - Rozdział trzydziesty pierwszy. Gdzie strumień spotyka rzekę (Janeiro 2022).